My Chemical Romance. The End.

Sendo muito apaixonada por música como sou, ouvir o My Chemical Romance lá atrás em 2005 foi quase que amor instantâneo. Ainda não eram uma grande banda, não eram internacionais, não faziam grandes turnês, mas de longe a melhor que já conheci.
Tive um site para eles, algo que virou um fã clube sem eu perceber ou querer. Juntei pessoas, marchamos por coisas em comum. Me dediquei a eles por muito tempo e fui muito feliz por isso. I was a proud soldier in the MCRmy. I’ll always be.
Com eles eu fiz verdadeiros amigos, aprendi a superar os meus próprios problemas, medos e anseios, tinha neles uma válvual de escape quando o mundo todo parecia desabar. Tudo poderia acontecer, mas ao colocar os fones de ouvido e dar o play eu deixava tudo para trás. Com eles eu aprendi a ser eu mesma.
Se você encontrar qualquer outro fã verdadeiro da banda vai ouvir dele(a) algo parecido. Eles sempre tiveram esse dom de fazerem as pessoas superarem o que quer que fosse, de ajudar, de apoiar, de tocar as pessoas usando arte.
Não dá para esperar menos de uma banda que nasceu a partir do trauma de 11 de setembro.
O My Chemical Romance sempre foi para mim muito mais do que uma banda e acordar no sábado pela manhã e saber que eles não existiam mais foi devastador.
O que fazer sem aquele apoio, sem eles? Mas depois de ler a carta do Gerard e saber os motivos, os problemas, o que realmente aconteceu eu entendi.
Entendi que a missão estava cumprida e que agora posso deixá-los ir, porque tudo o que eu precisava saber deles e aprender com eles eu aprendi. Eu posso seguir sozinha.
Eles ficarão bem. Eu ficarei bem.
We’ll carry on.

My+Chemical+Romance+live++Grnspan+Hamburg